ENTREVISTA: A HORA DA VERDADE

Por Luciana Paim

Currículo aceito, a primeira etapa está cumprida. Agora o candidato passará por aquele que é o trauma e a prova de fogo para muitos candidatos – a entrevista.

A entrevista vem sendo incorporada como uma estratégia decisiva no processo de seleção, sendo realizada normalmente por um diretor ou gerente de Recursos Humanos.

Algumas empresas chegam a realizar de 2 a 3 entrevistas , por profissionais diferentes, terminando sempre com o superior da área em questão.

Assuntos como linha de trabalho, perfil profissional, expectativas em relação ao cargo e a empresa e histórico profissional são alguns dos temas que são abordados freqüentemente nas entrevistas.

"Atualmente, os requisitos mais solicitados pelas empresas nos novos profissionais são pró-atividade, visão de negócios, dinamismo e espírito de equipe", explica a consultora da Manager, Sylmara Valentini.

Portanto, deve-se expor na hora da entrevista informações que mostre todas as habilidades nessas áreas, para despertar o interesse do entrevistador.

A psicóloga do trabalho que também presta serviços de consultoria em RH, Sandra Márcia Nunes Liger, esclarece que "as empresas modernas querem inteligência emocional, o candidato deve motivar-se mesmo na adversidade". Ela explica que a entrevista pode ser dividida em três fases: o antes, durante e depois.

Sandra diz que o momento mais importante da entrevista é o antes, pois a autoconfiança e auto-estima são imprescindíveis nesse momento. Para isso, ela apresenta 4 dicas que, se seguidas corretamente, podem ser decisivas na hora da entrevista.

Antes de entrar na sala

A segunda fase da entrevista é a chamada "hora da verdade", olho no olho do entrevistador. Nesse momento, não dá mais para recuar e agora o candidato deve mostrar o porquê de estar ali e convencer o entrevistador que é a pessoa mais indicada ao cargo disponível.

A psicóloga destaca que uma das qualidades que está em alta entre os entrevistadores é o bom humor. O candidato deve estar de bem com a vida. Mas atenção. Bom humor não significa soltar piadas durante a entrevista ou agir com infantilidade; é preciso ter equilíbrio e bom senso.

Assim como no currículo, o entrevistado deve ser objetivo e claro em suas respostas. Entretanto, é preciso ter cuidado. Ser objetivo não é responder com monossílabas, como "sim" ou "não"; isso pode arruinar a entrevista.

Para ter uma boa apresentação, o candidato deve se preparar antecipadamente. Procurar saber o que faz a empresa, rever seu histórico profissional, identificar os pontos fortes e fracos, se possível conversar com alguém que esteja no mercado, buscando dessa forma maiores detalhes que possam ser úteis na hora da entrevista.

Outro ponto é a aparência; o cuidado pessoal é tão importante quanto o que o candidato irá falar na sala. A famosa frase "a primeira impressão é a que fica" ainda é levada a sério pelos entrevistadores.

A forma de se apresentar varia de acordo com a vaga em questão. Quem busca entrar na área de publicidade não precisa ir de terno e gravata, já quem pretende chegar a uma gerência administrativa ou se tornar secretária, não deve usar uma roupa muito casual. Em todos os casos, jeans e camiseta devem ser evitados. O candidato deve vestir-se com bom gosto e discrição.

Uma pesquisa realizada entre executivos de grande empresas mostra que os ternos escuros para homens e taileur de cor clara para as mulheres ainda são unanimidade.

Para as mulheres, um recado especial. Os cabelos devem estar presos, maquiagem discreta, assim como as jóias e perfumes. No caso dos perfumes, na dúvida é melhor ir sem. As unhas devem estar sempre feitas, com esmaltes claros. A dica do perfume vale também para os homens.

Feita a entrevista, o candidato sai da sala com a esperança e a ansiedade de ser convocado. É aí que entra a terceira fase.

Algumas pessoas se constrangem ao ouvir a frase: "estamos ouvindo outros candidatos e, assim que tivermos uma posição, entraremos em contato". De acordo com Sandra, ao ouvir isso o entrevistado pode e deve questionar o entrevistador sobre quanto tempo ele deve aguardar o retorno. "Isso mostra interesse por parte do candidato", afirma Sandra.

Caso a empresa não entre em contato no prazo informado, vale a pena ligar e procurar sabe se a vaga foi preenchida. "Mas não ligue mais de uma vez", lembra a psicóloga, senão o tiro pode sair do lado contrário.

O importante é que, na hora da entrevista, o candidato olhe sempre nos olhos do entrevistador e exponha todas as suas qualidades e expectativas, sempre falando a verdade. E ser paciente, pois com tanta preparação, será impossível não conseguir uma vaga, seja nesta ou em outra empresa.

Dicas de como se portar diante do entrevistador:

Caso a entrevista seja em grupo, o candidato deve ter tranqüilidade. Deve esperar a sua vez de falar, sem atropelar outros candidatos. Mas na hora de falar, não deve se intimidar. Deve ser claro, objetivo e expor suas idéias, mesmo que sejam contrárias às dos outros entrevistados ou do entrevistador. Quando isso ocorrer, ele deve estar baseado em algo concreto para que o entrevistador seja convencido de sua colocação.

Jornal Campus Livre - Ano I No 9 - Setembro de 2001