KODAK

A IMPORTÂNCIA DA FOTOGRAFIA NA VIDA MODERNA CONTEMPORÂNEA .

Organização

Kodak Brasileira Ltda.

Profissional Responsável

Valentim Lorenzetti

Assessoria Externa

LVBA Comunicação e Propaganda Ltda.

Ano da Premiação

1980

Convivemos com um número tão grande de inovações na moderna sociedade de consumo que muitas vezes nem nos damos conta da real importância das coisas mais simples. Nem chegamos a perceber, inclusive, com muitas dessas coisas simples são imprescindíveis à nossa vida.

Uma delas, com certeza, é a fotografia, totalmente identificada, na mente do cidadão comum, com o lazer; fotografia, para quase todo mundo, muitas vezes é identificada somente como hobby, passatempo ou eventos especiais. Esquece-se, assim, de certa maneira, da participação fundamental da fotografia em quase todos os momentos da vida do homem.

Hoje, ao contrário dessa imagem tão amplamente difundida, a fotografia é parte integrante da ciência, da indústria, das comunicações, das pesquisas de desenvolvimento, da previsão de acontecimentos e das experiências mais arrojadas. Da geologia à astrofísica, da cirurgia à agricultura, da estamparia a frio de tecidos ao desenvolvimento de novos produtos farmacêuticos – em tudo a fotografia está presente, colaborando com o progresso e a felicidade do homem.

A Kodak brasileira, ativa participante do processo de desenvolvimento industrial, econômico e social, posto que maior fabricante brasileira de produtos fotográficos, sentia, em 1978, a necessidade de divulgar mais amplamente esse vasto espectro de atividades possíveis somente com a utilização da fotografia, das técnicas fotográficas; afinal, seu nome se confunde com o próprio desenvolvimento destas técnicas e tornava-se sua obrigação esclarecer que fotografia não é somente passatempo.

Com este objetivo, a LVB&A Comunicação foi contratada e definiu-se um vasto programa de atividades.

Constatou-se inicialmente que a apresentação de assuntos profundamente técnicos, embora interessante para o pessoal envolvido nos diversos ramos abrangidos, poderia ser extremamente desinteressante para o público em geral. Assim, dividiu-se o programa em duas partes distintas:

a)Um seminário de debates sobre questões de interesse técnico, com a participação de limitado número de assistentes, todos ligados a setores que utilizassem a fotografia;

b) Simultaneamente, a realização de uma campanha institucional, veiculada em periódicos de características horizontais, a fim de informar à opinião pública em geral as múltiplas utilizações da fotografia e, em periódicos dirigidos, para complementar a fixação dos conceitos disseminados no correr do seminário.

Realizado de 2 a 6 de outubro de 1978, o seminário "O Outro Lado da Fotografia" reuniu 576 participantes do mais alto nível, entre professores universitários, pedagogos, psicólogos, bibliotecários, engenheiros, arquitetos, médicos de várias especialidades, geólogos e geógrafos, agrônomos, administradores de empresas, autoridades e imprensa.  Vinte e oito conferencistas especialmente convidados debateram a utilização da fotografia no ensino, na radiografia médica e industrial, na medicina, na micrografia, no sensoriamento remoto, na aerofotogrametria, e no projeto Radam – Radiografia da Amazônia

Um convite/ficha de inscrição foi produzido e enviado a um mailing restrito e o programa foi veiculado por meio de anúncios especialmente preparados. A veiculação básica do seminário deu-se na Gazeta Mercantil, órgão que atingiria os segmentos de público objetivados pela empresa; e a mesma Gazeta Mercantil encartou num tablóide todas as informações levantadas e discutidas no seminários, cuja edição foi depois enviada ao mesmo mailing.

Paralelamente, a J. W. Thompson se incumbiu da realização da campanha institucional, sob supervisão da LVB&A; a campanha apresentou a importância da fotografia em todas as atividades humanas, a partir do slogan "Fotografia: Ferramenta Indispensável". Nos três anúncios que constituíram a campanha os temas escolhidos foram segurança, agricultura e ensino, tendo sido criados a partir de situações hipotéticas que levavam o leitor a tentar imaginar como seria a vida moderna sem a fotografia.

Em virtude de sua permanente atuação junto a governos e técnicos, a Kodak teve possibilidade de aferir diretamente os resultados do Seminário. Constatou, assim, que seu programa de treinamento técnico teve sensível crescimento.

Por outro lado, pode verificar, por intermédio de uma pesquisa especialmente realizada, que o índice de retenção das mensagens institucionais foram extremamente positivos, permitindo-lhe assim atingir plenamente os objetivos propostos.

Conseguiu, assim, não só reforçar a imagem junto a públicos extremamente sofisticados, como também levar ao grande público um novo e positivo aprendizado, no sentido de passarem a ver a fotografia como "algo bem mais importante do que o simples passatempo".

 

Fonte: Catálogo Brasileiro de Profissionais de Relações Públicas, São Paulo, suplemento 4 da Revista Briefing, pág. 27,     1981.